quinta-feira, 20 de abril de 2017

Telegramas na Porto Alegre da década de 1920



domingo, 16 de abril de 2017

De Francisco para Maria


"Algumas vezes a carta faz o papel de cocaina pra alma, nas crises de saudade. Procurei essa cocaina inocente e agora estou sorvendo a calma branca como poeira da tua lembrança insistente entranhada no meu espirito e nos meus sentidos, de tal maneira que eu penso que ella se desprende do papel."

Trecho de carta da década de 19/04/1932.

terça-feira, 11 de abril de 2017

Fotografia


domingo, 12 de março de 2017

Carta Arístocles a Alexandre, rei da Macedônia.

Que lhe perguntara o que havia de fazer para lograr honras e felicidade.
Guarda os segredos. Fala pouco. Usa de verdade. Não sejas ligeiro. Reprime a ira. Não te muitas em pleitos. Não pagues adiantado a ninguém. Abstém-te de vinho. Lembra-te que és mortal. Sê compassivo. Não te associes com quem não conheces. Não sejas fácil em dar ouvidos ao que te dizem. Não te fies no inimigo reconciliado. Pelas coisas perdidas e que se não podem recuperar, não te amofines. Não te alegres com a desgraça alheia Não contendas com o mais forte do que tu. Não confies nunca teus segredos a tua mulher nem a teus filhos; porque mulheres e meninos só calam o que não sabem. Coisa que se não pode alcançar não desejes alcançá-la. O que é incrível nunca o creias. Se desejas honras e fortuna, guarda o que acabo de dizer- te. Tem saúde para acrescentamento das ciências.

ROQUETTE, J. I. Novo Secretário Portuguez ou codigo epistolar contendo regras e advertências para escrever com elegancia toda sorte de cartas. Paris: J-P. Aillaud, Molon e Cia., 1860, p. 56.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Recortes

Toute lettre ou toute correspondance a le pouvoir d’intriguer, d’éveiller la curiosité, d’embarrasser autant que de saisir ou de capter par ce qu’elle porte de mystère et d’implicite. Là réside, sans doute, la part de séduction exercée par les lettres sur le lecteur, mais aussi la résistance qu’elles opposent à un usage immédiat. La trace porte en elle l’idée de sens caché à déchiffrer, une sorte d’esthétique du caché. Ouvrir une correspondance, c’est déjà participer de l’idée ou de l’illusion que le caché est plus instructif que le visible ou l’apparent.

(DAUPHIN, Cécile, « Les correspondances comme objet historique », Sociétés & Représentations 1/2002 (n° 13), p. 43-50. Disponível em: <www.cairn.info/revue-societes-et-representations-2002-1-page-43.htm> Acesso em: 11/05/2015.

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Recortes

Records are also produced because of societal customs and traditions. Document forms have been around for a long time, and the forms not only mirror the functions they are meant to perform but they also reflect social conventions and traditions. There are events dictating the creation of a document, if one is to be socially responsible. The death of a friend, for example,  requires the writing of a letter of condolence, even if today we might scribble the letter in to a prepackaged greeting card or send in via electronic mail, short-hand approaches indicating that the societal customs and traditions are always evolving, even if slowly. Every document we examine, from a letter to a check or receipt to various legal forms, are the result of generations and even centuries of development. We instantly recognize the intent of a document by its form. […] Even if we cannot read the language of the document, we can usually guess its purpose (if not its specifics) by the form and structure of the information.
COX, J. Richard. Personal archives and a new achival calling. redings, reflections and ruminations. Duluth, Minnesota: Litwin Books, LLC, 2008, p. 140


sábado, 25 de fevereiro de 2017

Devocionáro Completo a Maria Santíssima

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Coisas de Antigamente


domingo, 5 de fevereiro de 2017

Porto Alegre, década de 1920

O Exemplo. Jornal do Povo. Porto Alegre, 26 dez 1920, nº 50.

O Exemplo. Jornal do Povo. Porto Alegre, 26 dez 1920, nº 50.

O Exemplo. Jornal do Povo. Porto Alegre, 26 dez 1920, nº 50.

O Exemplo. Jornal do Povo. Porto Alegre, 26 dez 1920, nº 50.

O Exemplo. Jornal do Povo. Porto Alegre, 25 set 1924, nº 80.

domingo, 11 de dezembro de 2016

A propósito

"Une histoire qui sert est une histoire serve" (1919).
Lucien Febvre